PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4
Cham09aA Liturgia da Palavra deste Domingo propõe-nos a continuação da reflexão iniciada no passado Domingo. Recorda, uma vez mais, que Deus ama cada um de nós e chama-nos à vida plena e verdadeira. A resposta do homem a este convite passa por um caminho de conversão pessoal e de identificação com Jesus.

A primeira leitura diz-nos – através da história do envio do profeta Jonas a pregar a conversão aos habitantes de Nínive – que Deus ama todos os homens e a todos chama à salvação. A disponibilidade dos ninivitas em escutar os apelos de Deus e em percorrer um caminho imediato de conversão constitui um modelo de resposta adequada ao chamamento de Deus.

No Evangelho aparece o convite que Jesus faz a todos os homens para se tornarem seus discípulos e para integrarem a sua comunidade. Marcos avisa, contudo, que a entrada para a comunidade do Reino pressupõe um caminho de "conversão" e de adesão a Jesus e ao Evangelho.

A segunda leitura convida o cristão a ter consciência de que "o tempo é breve" – isto é, que as realidades e valores deste mundo são passageiros e não devem ser absolutizados. Deus convida cada cristão, em marcha pela história, a viver de olhos postos no mundo futuro – quer dizer, a dar prioridade aos valores eternos, a converter-se aos valores do "Reino".


LEITURA I – Jon 3,1-5.10
Leitura da Profecia de Jonas

A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas nos seguintes termos:
«Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive
e apregoa nela a mensagem que Eu te direi».
Jonas levantou-se e foi a Nínive,
conforme a palavra do Senhor.
Nínive era uma grande cidade aos olhos de Deus;
levava três dias a atravessar.
Jonas entrou na cidade, caminhou durante um dia
e começou a pregar nestes termos:
«Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída».
Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus,
proclamaram um jejum
e revestiram-se de saco, desde o maior ao mais pequeno.
Quando Deus viu as suas obras
e como se convertiam do seu mau caminho,
desistiu do castigo com que os ameaçara
e não o executou.


SALMO RESPONSORIAL – Salmo 24 (25)
Refrão: Ensinai-me, Senhor, os vossos caminhos.

Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador.

Lembrai-Vos, Senhor, das vossas misericórdias
e das vossas graças, que são eternas.
Lembrai-Vos de mim segundo a vossa clemência,
por causa da vossa bondade, Senhor.

O Senhor é bom e recto,
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer os seus caminhos.


LEITURA II – 1 Cor 7,29-31
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

O que tenho a dizer-vos, irmãos,
é que o tempo é breve.
Doravante,
os que têm esposas procedam como se as não tivessem;
os que choram, como se não chorassem;
os que andam alegres, como se não andassem;
os que compram, como se não possuíssem;
os que utilizam este mundo, como se realmente não o utilizassem.
De facto, o cenário deste mundo é passageiro.


EVANGELHO – Mc 1,14-20
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

Depois de João ter sido preso,
Jesus partiu para a Galileia
e começou a proclamar o Evangelho de Deus, dizendo:
«Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus.
Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».
Caminhando junto ao mar da Galileia,
viu Simão e seu irmão André,
que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores.
Disse-lhes Jesus:
«Vinde comigo e farei de vós pescadores de homens».
Eles deixaram logo as redes e seguiram-n'O.
Um pouco mais adiante,
viu Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João,
que estavam no barco a consertar as redes;
e chamou-os.
Eles deixaram logo seu pai Zebedeu no barco com os assalariados
e seguiram Jesus.


Ressonâncias

Uma afirmação: "Cumpriu-se o tempo e está próximo o Reino de Deus."  O Reino de Deus resume a esperança de Israel num mundo novo de Paz e de abundância, preparado por Deus para o seu Povo. Era um facto esperado há muito tempo pelo Povo do Senhor. Terminou esse longo tempo de espera; o Reino de Deus está no meio de nós e as promessas estão a realizar-se.

Duas Condições para participar desse Reino: "Arrependei-vos e acreditai no Evangelho"
Arrepender-se quer dizer mudar a mente e o coração, reformular os valores da vida, para que Deus ocupe nela o primeiro lugar. É rever e remover de nós tudo aquilo que nos afasta de Deus e dos irmãos.
Acreditar no Evangelho não quer dizer apenas conhecer o que lá está escrito, mas aceitar Cristo e os valores que Ele propõe para a nossa vida. Escutar a Sua palavra e conformar a nossa vida aos seus mandamentos, que se resumem num só: O amor a Deus e ao próximo.

Um Convite: Para continuar e completar esse Reino, Chamam04Cristo convida os primeiros apóstolos e, hoje, a cada um de nós: "Vinde comigo e farei de vós pescadores de homens".
Escolhe pessoas simples, pobres, desconhecidas. Pareceria mais lógico que Ele tivesse escolhido sacerdotes, fariseus e escribas, profundos conhecedores das Sagradas Escrituras. No entanto, a Sua escolha foi outra! Porquê? Mais uma vez Deus prova que a grandeza das coisas de Deus não aparece na imponência dos factos ou das pessoas, mas na humildade, na simplicidade, onde geralmente existe mais fé.

O chamamento
– é sempre uma iniciativa de Deus dirigida a pessoas "normais". Não aconteceu enquanto estavam a rezar ou a fazer algo de extraordinário, mas enquanto exerciam a sua profissão;
– é sempre radical e incondicional; exige que o "Reino" se torne o valor fundamental, a prioridade, o principal objectivo do discípulo;

– é sempre para aderir à pessoa de Jesus, para fazer com Ele uma experiência de vida, para aprender com Ele a ser uma pessoa nova que vive no amor a Deus e aos irmãos;

– exige uma resposta imediata, total e incondicional, que deve sobrepor-se a tudo o resto, para seguir Jesus e para integrar a comunidade do Reino.

O chamamento para integrar a comunidade do "Reino" não é algo reservado a um grupo especial de pessoas, com uma missão especial no mundo e na Igreja, mas é algo que Deus dirige a todas as pessoas. Todos os baptizados são chamados a ser discípulos de Jesus, a "converter-se", a "acreditar no Evangelho", a seguir Jesus nesse caminho de amor e de dom da vida.

Cristo continua a dirigir, ainda hoje, o mesmoVoc33 apelo: "Vinde após mim, farei de vós pescadores de homens." Se tivermos medo, se nos sentirmos incapazes para tanto, olhemos para esses pescadores da Galileia, pobres e muito simples, mas com uma generosidade sem limites.  Largaram tudo e seguiram a Jesus.

A nós, também, Ele continua exigir as mesmas condições para poder segui-l'O: "Arrependei-vos e acreditai no Evangelho."
Renovemos a nossa fé para compreendermos a grandeza deste convite e assim teremos a generosidade necessária para poder segui-l'O.


Salva-Vidas

Uma catequista, para fazer rir as colegas, contou o episódio, que transcrevo:
"Estava a dar uma lição de catequese sobre Aquele que foi o maior 'Pescador de Homens' de sempre. Percebendo que as crianças não compreendiam o porquê deste título, dediquei a aula a esse esclarecimento. Depois de ter esgotado todos os meus argumentos, perguntei se alguém me sabia dizer, afinal, quem era esse 'Pescador de Homens'. Uma menina levantou o braço e respondeu bem alto:boia
- É um salva-vidas! "

Aquelas senhoras riram-se, não sei se pelas limitações da catequista ou se pela própria incapacidade de apreender a profundidade da declaração.
De facto, todos nós somos náufragos: às vezes sentimo-nos perdidos no alto-mar desta vida, açoitados por tempestades, navegando na escuridão. Precisamos de ajuda, de um autêntico salva-vidas. Se Deus chama alguém é para enviá-lo a salvar, para acender uma luz, dar a mão, trazer a um bom porto. À minha volta cada irmão é para mim um salva-vidas, enviado por Deus. E o mesmo Deus também me chama a ser um salva-vidas para o meu irmão.

Se quem caminha a meu lado cair uma vez, a culpa será sua. Mas se cair uma segunda vez, a culpa será minha porque não lhe dei a mão.

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado