PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

Res206aA liturgia deste domingo celebra a ressurreição e garante-nos que a vida em plenitude resulta de uma existência feita dom e serviço em favor dos irmãos. A ressurreição de Cristo é o exemplo concreto que confirma tudo isto.

A primeira leitura apresenta-nos o Testemunho de Pedro. Convocado pelo Espírito, Pedro entra em casa de Cornélio, em Cesareia, expõe-lhe o essencial da fé e baptiza-o, bem como a toda a sua família.

O episódio é importante por dois motivos: Cornélio é o primeiro pagão a ser admitido ao cristianismo por um dos Doze, significa que a vida nova que nasce de Jesus é para todos os homens; o texto é uma composição do kerigma – o anúncio essencial da fé, o resumo da mensagem cristã, que leva a aceitação do Cristo e da sua mensagem, através do baptismo.

A segunda leitura dá o testemunho de S. Paulo. O baptismo introduz-nos numa dinâmica de comunhão com Cristo ressuscitado. Revestidos de Cristo pelo baptismo, os cristãos devem assim continuar a sua caminhada de vida nova até à transformação plena (que acontecerá quando, pela morte, tivermos ultrapassado a última barreira da nossa finitude).

O Evangelho coloca-nos diante de duas atitudes face à ressurreição: a do discípulo obstinado, que se recusa a aceitá-la porque, na sua lógica, o amor total e a doação da vida nunca podem ser geradores de vida nova; e a do discípulo ideal, que ama Jesus e que, por isso, entende o seu caminho e a sua proposta.


Primeira Leitura (Act 10,34a.37-43)
Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias,
Pedro tomou a palavra e disse:
«Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia,
a começar pela Galileia,
depois do baptismo que João pregou:
Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré,
que passou fazendo o bem
e curando a todos os que eram oprimidos pelo Demónio,
porque Deus estava com Ele.
Nós somos testemunhas de tudo o que Ele fez
no país dos Judeus e em Jerusalém;
e eles mataram-n’O, suspendendo-O na cruz.
Deus ressuscitou-O ao terceiro dia
e permitiu-Lhe manifestar-Se, não a todo o povo,
mas às testemunhas de antemão designadas por Deus,
a nós que comemos e bebemos com Ele,
depois de ter ressuscitado dos mortos.
Jesus mandou-nos pregar ao povo
e testemunhar que ele foi constituído por Deus
juiz dos vivos e dos mortos.
É d’Ele que todos os profetas dão o seguinte testemunho:
quem acredita n’Ele
recebe pelo seu nome a remissão dos pecados».

Salmo Responsorial – Salmo 117 (118)
Refrão: Este é o dia que o Senhor fez: n’Ele exultemos e nos alegremos.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,Ress057a
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver,
para anunciar as obras do Senhor.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.

Segunda Leitura (Col 3,1-4)
Leitura da Epístola do apóstolo S. Paulo aos Colossenses

Irmãos:
Se ressuscitastes com Cristo,
aspirai às coisas do alto,
onde está Cristo, sentado à direita de Deus.
Afeiçoai-vos às coisas do alto e não às da terra.
Porque vós morrestes,
e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.
Quando Cristo, que é a vossa vida, Se manifestar,
também vós vos haveis de manifestar com Ele na glória.
 


Sequência da Páscoa
À Vítima pascal
ofereçam os cristãos
sacrifícios de louvor.cordeiro1

O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo, o Inocente,
reconciliou com o Pai os pecadores.

A morte e a vida
travaram um admirável combate:
Depois de morto, vive e reina o Autor da vida.

Diz-nos, Maria:
Que viste no caminho?

Vi o sepulcro de Cristo vivo e a glória do Ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
vi o sudário e a mortalha.

Ressuscitou Cristo,
minha esperança:
precederá os seus discípulos na Galileia.

Sabemos e acreditamos:
Cristo ressuscitou dos mortos:
Ó Rei vitorioso, tende piedade de nós.


Evangelho (Jo 20,1-9)
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
No primeiro dia da semana,
Maria Madalena foi de manhãzinha,
ainda escuro, ao sepulcro
e viu a pedra retirada do sepulcro.
Correu então e foi ter com Simão Pedro
Ress018
e com o discípulo predilecto de Jesus
e disse-lhes:
«Levaram o Senhor do sepulcro,

e não sabemos onde O puseram».
Pedro partiu com o outro discípulo
e foram ambos ao sepulcro.
Corriam os dois juntos,

mas o outro discípulo antecipou-se,
correndo mais depressa do que Pedro,
e chegou primeiro ao sepulcro.
Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou.
Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira.

Entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão
e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus,
não com as ligaduras, mas enrolado à parte.
Entrou também o outro discípulo
que chegara primeiro ao sepulcro: viu e acreditou.
Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura,
segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.

Ressonâncias...

Cristo Ressuscitou! Aleluia!jesus_ressureicao

O anúncio Pascal ressoa hoje em toda a Igreja:
Cristo Ressuscitou!

Ele está vivo! Ele é Senhor dos vivos e dos mortos!

Na noite mais clara que o dia,
a Palavra de Deus chama a uma vida imortal o homem novo: Jesus Nazaré.
A Igreja nascida da Páscoa defende e testemunha
este anúncio e o transmite continuamente.

Domingo, Primeiro dia da Semana: O DIA DO SENHOR

– Não é o túmulo vazio que prova a Ressurreição do Senhor.
A vida não se prova com a ausência de um morto, mas com a presença de um VIVO.

– As aparições do Ressuscitado às mulheres e aos discípulos.
Aparições que foram testemunho de vida para os Apóstolos o centro da sua pregação: primeira parte do Evangelho a ser escrita.

– PÁSCOA, festa em que a esperança é transformada em certeza: dor que é Redenção; morte que é o preâmbulo de Ressurreição.
– PÁSCOA, tempo de anunciar esta certeza a toda a humanidade.

– PÁSCOA, aponta um caminho novo: testemunhar que Jesus está vivo!

Amigo, acolhe o dinamismo da Ressurreição!

Sai das tuas opiniões divisionistas
para entrares plenamente naquela fé que a Igreja se gloria de professar;

Sai do teu pecado que te envenena o coração
e encaminha-te para a novidade de Cristo...

Sai de casa, do calor das paredes do teu lar onde procuras esquecer
os problemas do teu irmão, e alarga o teu coração aos outros...

Sai da tua sede de domínio
e procura fazer da tua vida um serviço de amor. 

Sai para a vida
e toma o caminho do Evangelho!

Semeia a alegria gritando silenciosamente
com o teu comportamento que Cristo te fez feliz.

Grita com a tua vida que Cristo está vivo e que a Igreja
é o lugar e o espaço onde se testemunha que Ele é o Senhor Ressuscitado...

Amigo, não tenhas medo de fazeres teu este Aleluia Pascal.


CRISTO Ressuscitou!  Aleluia!

Crer na Ressurreição
é caminhar para a frente;

Crer na Ressurreição
é olhar para o futuro com esperança; 

Crer na Ressurreição
é começar a agir hoje;

Crer na Ressurreição
é enfrentar os meus problemas;

Crer na Ressurreição
é construir um mundo mais justo;

Crer na Ressurreição
é levantar-se após cada tombo;

Crer na Ressurreição RESSUR1a
é nunca desistir de lutar;

Crer na Ressurreição
é nunca cruzar os braços;

Crer na Ressurreição
é acreditar no bom de cada homem;

Crer na Ressurreição
é nunca entregar-se ao pessimismo; 

Crer na Ressurreição...

Porque acreditamos na Ressurreição,
não percamos tempo

FELIZES FESTAS PASCAIS!

Pe. Alexandre Santos


«Correu então e foi ter com Simão Pedro
e com o outro discípulo que Jesus amava(Jo 20, 2)

Correria pascal

Há uma enorme correria no dia de Páscoa! Não me refiro às tradições à volta do Compasso ou da visita pascal que, em muitos lugares do nosso país, são uma feliz expressão da alegria em anunciar, de casa em casa, a ressurreição de Jesus. Nem a alguma azáfama do encontro de famílias ou do regresso de mais uns dias de férias. São os evangelhos que nos falam de Maria Madalena, de Pedro e de João, dos discípulos de Emaús numa agitação entre o assombro e o deslumbramento, a dúvida e a fé.Sepulcro_Vazio

Maria Madalena corre para ir dizer a Pedro e a João que o sepulcro está vazio. Vai de coração apertado. Não bastava todo o sofrimento da paixão para agora até o corpo de Jesus, o sinal da sua existência ter sido roubado? Não é um anúncio de fé ainda: pouco depois perguntará àquele que julga ser o jardineiro (e é Jesus) onde pôs o corpo do seu Senhor. Pedro e João correm ao sepulcro e se o primeiro fica no espanto daquilo do vazio que vê, o segundo vê e acredita. Vê o vazio e acredita que a vida ressuscitada de Jesus nenhum sepulcro a pode prender, nenhumas faixas a podem embalsamar. Correram então a contar aos outros? S. João diz-nos que será Maria Madalena a primeira a anunciar: “Eu vi o Senhor”. Uma mulher, cujo testemunho pouco valor legal teria naquele tempo, leva a feliz notícia que ecoará pela história: a vida e o amor venceram a morte!

Correram certamente os guardas quando viram que não tinham guardado bem o sepulcro. Temendo o castigo mas deslumbrados com o que tinham visto foram contar aos sumos-sacerdotes. E estes subornaram-nos para fazerem correr a mentira que desacreditaria a ressurreição: teriam sido os discípulos a roubar e esconder o corpo de Jesus. Quantos romances e “best-sellers” surgiram à volta dessa ideia! E de onde vinha a força que transformou nos discípulos o medo em confiança, a tristeza em alegria, a solidão em comunhão? A vida transformada e transformadora dos discípulos é um testemunho luminoso da ressurreição do Senhor. Ontem, hoje e sempre!

Da corrida matinal de coração apertado à viagem de regresso a Jerusalém dos discípulos de Emaús, já noite fechada, de coração a arder, decorre aquele primeiro dia. Nenhuma noite podia apagar a luz e o fogo que Jesus acendera no caminho e à mesa. O dia da ressurreição tinha começado e nenhum ocaso seria mais forte. Nem o ocaso da dor e da morte. Por isso aquele encontro tinha de ser comunicado. Estava revelada a missão da Igreja: comunicar o encontro com Jesus vivo, levar a todos esse incêndio que não destrói mas transforma e ressuscita.

Correr para anunciar, para ir ao encontro de outros, para descobrir com todos os sinais do Espírito de Jesus Ressuscitado na vida de cada dia, para celebrar a alegria da sua presença, não é agitação repetitiva nem esforço de contabilidade. É partilha de corações a arder, é acolher o céu que abraça a terra!

Pe. Vítor Gonçalves


S@nt@ P@sco@!

Nesta Páscoa partilho convosco
uma mensagem que recebi nesta era informática:

Dê um clique duplo nesta Páscoa!
arraste Jesus para o seu directório principal.
Salve-O em todos os seus arquivos pessoais,
seleccione-O como seu documento mestre.
Que ele seja o seu modelo para formatar a sua vida:
Justifique-a e alinhe-a à direita e à esquerda,
sem quebrar na sua caminhada.
Que Jesus não seja apenas um ícone, um acessório,
uma ferramenta, um rodapé, um periférico,
um arquivo temporário,
mas o seu cabeçalho,
a barra de rodagem do seu caminhar.Res034a
Que Ele seja a fonte da graça
para a sua área de trabalho,
o paintbrush para colorir o seu sorriso,
a configuração da sua simpatia,
a nova janela para visualizar
o tamanho do seu amor,
o painel de controle
para cancelar os seus recuos,
compartilhar os seus biblioteca,
anexar corações nas suas amizades.
Copie tudo o que é bom,
delete ou apague todos os seus erros.
Não deixe à margem ninguém,
abra as bordas do seu coração,
remova dele o vírus do egoísmo.
Antes de sair,
coloque Jesus nos seus favoritos
e a Sua Páscoa será atalho para a felicidade:
Clique agora OK para reiniciar
e actualizar os seus conteúdos.
Envie esta mesma mensagem a alguém
e dará uma boa ajuda a qualquer destinatário.
E se isto for muito complicado para si,
Abra um atalho directo para Deus,
Que é o que interessa,
e tenha uma S@nt@ P@sco@!

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado