PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

O Belo é promotor de vida

belezaO encontro com o Belo é sempre uma experiência singular e exemplar.

Singular porque vivida na primeira pessoa, numa relação pessoal, concreta, tangível mesmo. A atribuição da beleza não surge por decreto ou imposição exterior/anterior a essa relação. O Belo manifesta-se em liberdade relacional. Por isso, propunha Kant, só pode haver verdadeira experiência estética no desinteresse, ou seja, se não houver desejo de posse, instrumentalização ou utilitarismo a manchar esse encontro. O objecto deve ser deixado livre. O sujeito também só em liberdade o pode reconhecer. O tempo da beleza é o tempo liberto.

Acrescentarei, também, que esse encontro é uma experiência exemplar: quando diante de algo exclamamos "isto é belo!", esse algo é sempre um exemplo da Beleza maior, "sempre antiga, e sempre nova", como a invocou St. Agostinho, triste por não a ter amado mais cedo. Como reconhecemos ou produzimos algo belo? Qual a lei da Beleza? Da existência dessa lei desconhecida só tocamos os momentos singulares que assim apontamos. Descobrindo "em todas as pobres e pequenas coisas que vivem um dia,/ a eterna Beleza vagueando no seu caminho" (Yeats). A fragilidade do mundo, das obras, das pessoas, reenvia para a força da eterna Beleza. Mas sem a fragilidade, essa beleza não seria reconhecível. Essa frágil beleza é o "mínimo infinito". Uma tensão essencial. Uma promessa.

Encontrar-se com a Beleza é, então, atravessar o espelho, é não vermos apenas a nossa imagem sempre devolvida no mundo, o nosso mundo, mas experienciar a abertura da novidade – aquela que é sempre antiga e sempre nova. Um corte que não deixa tudo na mesma, que altera a ordem, que obriga a atravessar o fogo. À imagem acomodada dos factos do mundo (sempre o nosso), o Belo vem propor uma inquietude. Não traz apenas a paz – a harmonia –, mas a espada. Interpela. Provoca. Dionísio Areopagita propunha que Kalos, belo em grego, derivava de Kalo: "invocar; chamar por...". E, para George Steiner, o apelo que na beleza se escuta é: "Muda a tua vida!". O belo é extático. E só assim se percebe como pode ser promotor e construtor de comunidade: na abertura radical ao Outro que inaugura.

No contexto destas conferências comemorativas dos 40 anos da "Populorum Progressio", perguntamo-nos: o que traz a beleza à nossa vida e de que serve (palavra ingrata, aqui) para o progresso humano? Que beleza salvará, sustentará, o mundo? Poderemos ainda encontrar nela consolação? A beleza da harmonia ou a da provocação? Do despojamento ou do ornamento excessivo? A beleza da austeridade ou do luxo? Da perfeição ou do imperfeito? A dos rostos pintados por Fra Angélico ou nesses filmados por Pasolini? E que harmonia será ainda possível diante do mal ou da morte? Haverá, de facto, uma relação íntima entre a estética e a ética? Quem se exalta com o esplendor do mundo, tem que, por consequência e rigor, espantar-se com o sofrimento do mundo, como propunha Sophia de Mello Breyner? – e por isso para ela a poesia era uma moral.

Por entre as dúvidas a certeza de que o belo é promotor de vida. Experimentá-lo é sentir o alargamento da existência, do mundo, do horizonte de possibilidades. Como escreveu Joaquim Manuel Magalhães: "A beleza é-me uma oferta de vida à vida." Por ser assim essencial, é necessário educar a atenção aos seus exemplos. Atender aos sinais.

Paulo Pires do Vale, In Vida Católica, n.º 26

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado