PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

Porquê ir à missa aos domingos?

Papa MissaA celebração dominical da Eucaristia está no centro da vida da Igreja (CIC, 2177). Nós, cristãos, vamos à missa ao domingo para encontrar o Senhor ressuscitado, ou melhor, para nos deixar encontrar por Ele, ouvir a sua palavra, alimentarmo-nos à sua mesa, e assim tornarmo-nos Igreja, ou seja, o seu Corpo místico vivo hoje no mundo.

Compreenderam-no, desde a primeira hora, os discípulos de Jesus, que celebraram o encontro eucarístico com o Senhor no dia da semana que os judeus chamavam «o primeiro da semana» e os romanos «dia do Sol», porque nesse Dia ressuscitou dos mortos e apareceu aos discípulos, falando com eles, comendo com eles, dando-lhes o Espírito Santo […]. Também a grande efusão do Espírito no Pentecostes ocorreu no domingo, o quinquagésimo após a ressurreição de Jesus. Por estas razões, o domingo é um dia santo para nós, santificado pela celebração eucarística, presença viva do Senhor entre nós e para nós. É a missa, portanto, que faz o domingo cristão! Que domingo é, para um cristão, aquele em que falta o encontro com o Senhor?

Há comunidades cristãs que, infelizmente, não podem desfrutar da missa todos os domingos; mesmo essas, no entanto, nesse dia santo, são chamadas a recolher-se em oração em nome do Senhor, escutando a Palavra de Deus e mantendo vivo o desejo da Eucaristia.

Algumas sociedades secularizadas perderam o sentido cristão do domingo iluminado pela Eucaristia. (Uma verdadeiro pecado!) Nesses contextos, é necessário reavivar essa consciência, para recuperar o significado da festa – não perder o sentido da celebração –, de alegria, da comunidade paroquial, da solidariedade, do repouso que restaura a alma e o corpo. De todos esses valores é-nos mestra a Eucaristia, domingo após domingo. É por isso que o Concílio Vaticano II quis reiterar que «o domingo é o dia da festa primordial que deve ser proposto e inculcado na piedade dos fiéis, para que também se torne dia de alegria e abstenção do trabalho».

A abstenção dominical do trabalho não existia nos primeiros séculos: é uma contribuição específica do cristianismo. Por tradição bíblica os judeus repousam ao sábado, enquanto na sociedade romana não estava previsto um dia semanal de abstenção do trabalho servil. Foi o sentido cristão de viver como filhos, e não como escravos, animado pela Eucaristia, a fazer do domingo - quase universalmente - o dia do repouso.

Sem Cristo estamos condenados a ser dominados pela fadiga do quotidiano, com as suas preocupações, e pelo medo do amanhã. O encontro dominical com o Senhor dá-nos força para viver hoje com confiança e coragem e para avançar com esperança. É por isso que nós, cristãos, vamos encontrar, ao domingo, o Senhor na celebração eucarística.

A comunhão eucarística com Jesus, ressuscitado e vivo na eternidade, antecipa o domingo sem ocaso, quando não haverá mais fadiga, nem dor, nem luto, nem lágrimas, mas só a alegria de viver plenamente e para sempre com o Senhor. Também deste abençoado repouso nos fala a missa de domingo, ensinando-nos, no fluir da semana, a confiarmo-nos às mãos do Pai que está no céu.

O que podemos responder aos que dizem que não há necessidade de ir à missa, nem mesmo aos domingos, porque o importante é viver bem e amar o próximo? É verdade que a qualidade da vida cristã é medida pela capacidade de amar, como disse Jesus: «Disto todos saberão que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros» (Jo 13,35); mas como podemos praticar o Evangelho sem tirar a energia necessária para o fazer, domingo após o outro, na fonte inesgotável da Eucaristia?

Não vamos à missa para dar algo a Deus, mas para receber dele o que realmente precisamos. Recorda-o a oração da Igreja, que assim se dirige para Deus: «Tu não precisas do nosso louvor, mas por um dom do teu amor chamas-nos a dar-te graças; os nossos hinos de bênção não acrescem a tua grandeza, mas obtêm-nos a graça que nos salva» (Missal Romano, Prefácio comum IV).

Em conclusão, porquê ir à missa aos domingos? Não basta responder que é um preceito da Igreja; isso ajuda a preservar o seu valor, mas por si só não chega. Nós, cristãos, precisamos de participar da Missa dominical porque só com a graça de Jesus, com a sua presença viva em nós e entre nós, podemos pôr em prática o seu mandamento, e assim sermos suas testemunhas credíveis.

Papa Francisco
Audiência geral, 13.12.2017

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado