PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 igreja2 Auditorio vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

São Vicente, diácono e mártir (+304)

S Vicente23aQual é hoje a região, qual é a província, até onde quer que se estenda tanto o império romano como o nome de Cristo, que não rejubile por celebrar o dia consagrado a Vicente?” (Santo Agostinho, Sermão 276)

São Vicente é o mais célebre dos mártires hispânicos e o seu dia celebra-se a 22 de Janeiro.

Foi, desde muito cedo, objecto de um culto amplamente difundido na Península Ibérica, França, Itália e norte de África. As Dioceses de Lisboa e do Algarve comungam do mesmo padroeiro e são muitas as paróquias do nosso país que também o veneram.

São Vicente era natural de Huesca, Espanha, e uma vez ordenado diácono para servir a igreja de Saragoça, vai desempenhar a sua missão com grande piedade e sabedoria no anúncio do Evangelho, levando à fé cristã um grande número de pagãos.

Durante o império de Diocleciano, o delegado imperial, Daciano, moveu uma forte perseguição aos cristãos. E porque ele recusara renegar a sua fé e oferecer sacrifícios aos deuses, será cruelmente martirizado até à morte, em 22 de Janeiro de 304.

O jovem diácono, uma vez denunciado e preso com o seu bispo, Valério, será conduzido à presença de Daciano, em Valência. Ao longo da viagem, os soldados infligiram-lhe todo o tipo de maus-tratos.

Aí chegado, foi encarcerado numa escura prisão e deixado sem comida e sem bebida durante vários dias. Depois disso, levaram-no à presença do delegado imperial que o condenou à morte. Uma vez desnudado, através de cordas e a roda de tortura, desarticularam-lhe os seus ossos e quebraram-lhe os seus membros; com pregos e ganchos de ferro, rasgaram-lhe a carne do seu corpo e, por último, atiraram-no às chamas para que fosse devorado pelo fogo.

O culto das suas relíquias rapidamente se espalhou por toda a Península e diz a tradição que, após a invasão muçulmana de 711, os cristãos para poderem protegê-las dos infiéis colocaram-nas numa antiga ermida do promontório de Sagres. Após a conquista de Lisboa aos mouros, D. Afonso Henriques, vai ordenar que sejam trazidas para Lisboa estas relíquias, onde vão repousar na Sé Patriarcal, desde 1173, estabelecendo-se o seu culto na diocese de Lisboa. O mártir de Valência tornou-se assim o padroeiro principal da cidade e da diocese de Lisboa.

Que São Vicente nos dê coragem de testemunhar a nossa fé em todas as circunstâncias e a manifestarmos em público e sem medo a nossa fidelidade a Jesus.

Pe. Alexandre Santos

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado