PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

Portugal e a Imaculada Conceição

mImaculada

O berço de Portugal é cristão
e a sua madrinha é a Imaculada Conceição

Ninguém pode dizer não ter existido, pelo menos desde o século XI, a crença explícita na conceição imaculada da Virgem. Existiu e espalhou-se gradualmente a toda a Igreja ocidental. Foi, porém, a 8 de Dezembro de 1854 que se realizou a festa tão desejada por tantos cristãos: Pio IX, rodeado por 54 cardeais, um patriarca, 42 arcebispos, 100 bispos, 300 prelados, milhares de sacerdotes e de fiéis católicos, afirmou solenemente o dogma da Imaculada Conceição: «Declaramos que a doutrina que afirma que Maria foi concebida sem pecado original, é uma doutrina revelada por Deus e que nos obriga a todos a aceitá-la como dogma de fé».


«Portugal teve sempre muita devoção à Imaculada Conceição. À sombra do santuário da Imaculada Conceição de Vila Viçosa tinha nascido, do sangue heróico de Nuno Álvares Pereira, o 8.º duque de Bragança, que do céu destinara para outra vez dar aos portugueses uma nação livre e independente.

É, sobretudo, a D. João IV que Portugal ficou a dever que Nossa Senhora da Conceição fosse declarada Padroeira Nacional. Estando reunidas as Cortes em Lisboa, desde 28 de Dezembro de 1645 até 16 de Março de 1646, propôs-lhes o rei que se declarasse Nossa Senhora da Conceição Defensora e Protectora da Pátria. O resultado dessa proposta consta da Provisão Régia de 25 de Março de 1646, de que salientamos estes parágrafos:
"Estando ora juntos em Cortes com os três Estados do Reino lhes fiz propor a obrigação que tínhamos de renovar e continuar esta promessa (de D. Afonso Henriques) e venerar com muito particular afecto e solenidade a festa de Sua Imaculada Conceição: E nelas com parecer de todos, assentámos de tomar por padroeira de Nossos Reinos e Senhorios a Santíssima Virgem Nossa Senhora da Conceição... e lhe ofereço de novo em meu nome e do Príncipe D. Teodósio meu sobre todos muito amado e prezado filho e de todos os meus descendentes, sucessores, Reinos, Senhorios e Vassalos à sua Santa Casa da Conceição sita em Vila Viçosa, por ser a primeira que houve em Espanha desta invocação, cinquenta escudos de ouro em cada um ano em sinal de Tributo e Vassalagem: E da mesma maneira prometemos e juramos com o Príncipe e Estados de confessar e defender sempre (até dar a vida sendo necessário) que a Virgem Maria Mãe de Deus foi concebida sem pecado original".

No mesmo dia 25, festa da Anunciação, que nesse ano coincidiu com o Domingo de Ramos, efectuou-se na Capela Real a solenidade do juramento. O Secretário de Estado leu em voz alta a Provisão Régia e por fim a fórmula do juramento que D. João IV, ajoelhado diante do altar, foi repetindo. O Príncipe herdeiro, os grandes da nobreza, os representantes do povo, e os cinco Bispos presentes prestaram em seguida juramento. Um solene Te Deum rematou tão bela e significativa cerimonia. Durante a noite a cidade apareceu rebrilhando com as constelações de mil luzes que faziam ressaltar o júbilo do povo, manifestado nos seus ardentes cânticos.

Por este acto tão solene e expressivo a Virgem Imaculada era constituída e declarada, por todos os poderes da Nação, Senhora e Rainha de Portugal. Por outras palavras, o Governo transferia para Ela o poder e domínio de que gozava, tornando-se Nossa Senhora verdadeira Soberana de Portugal. Os reis, em sinal de que aceitavam o seu domínio, pagar-lhe-iam cada ano um tributo de submissão e desde essa altura mais nenhum monarca colocou a coroa na cabeça, pois isso equivaleria a usurpar um direito pertencente a Nossa Senhora. Passados dois anos, em 1648, mandou D. João IV cunhar moedas de oiro e prata, tendo numa das faces a Imaculada Conceição com a legenda: Tutelaris Regni, Padroeira do Reino.

A 30 de Junho de 1654 – precisamente dois séculos antes da definição dogmática de Pio IX – o rei dá nova prova do seu amor à Imaculada. Dirige às Câmaras da Nação uma carta em que dizia: "Para que seja mais notória a obrigação que eu e todos meus vassalos temos de defender que a Virgem Senhora Nossa foi concebida sem pecado original, houve por bem resolver que em todas as portas e entradas das cidades, vilas e lugares de meus Reinos se ponha, em uma pedra lavrada, a inscrição de que será cópia esta carta: Encomendo-vos a façais pôr nas portas e lugares dessa cidade (ou vila) e me aviseis de como o tendes executado." A ordem foi cumprida e ainda subsistem em nossos dias muitas dessas lápides.

Os sucessores do trono de tão piedoso monarca quiseram continuar estas tradições. D. João V, por exemplo, a 12 de Novembro de 1717, dirigiu uma circular à Universidade de Coimbra e a todos os Prelados e Colegiais do Reino recomendando-lhes que fizessem celebrar cada ano nas suas igrejas, com toda a pompa, a festa da Imaculada Conceição, recordando a eleição da Padroeira e o juramento de D. João IV.
D. João VI, para especial honra e homenagem da Padroeira, criou a Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.

Em Portugal, a bula Ineffabilis Deus de 1854, com a definição, precisava, para ser publicado oficialmente, de beneplácito régio, que o soberano não podia conceder sem a aprovação das duas Câmaras. O Ministro da Justiça conseguiu-a finalmente, após duas sessões de três horas cada uma na Câmara dos deputados e após uma sessão de duas horas na Câmara dos Pares. Por fim, D. Fernando, regente em nome de quem viria a ser D. Pedro V, pôde conceder o beneplácito a 16 de Março de 1855. Foi publicado a bula no Diário do Governo.

Fizeram-se comemorações solenes da definição, com entusiasmo e grandes concursos do povo. Mas comemorações tardias, por causa das interferências do liberalismo: em Lisboa, o Te Deum só foi a 16 de Abril. Braga antecipara-se muito, graças ao Pe. Martinho António Pereira da Silva; as cerimónias foram a 6 e 7 de Janeiro. O referido sacerdote, para comemorar a definição, propôs se erigisse o Sameiro, o grande Santuário nacional em honra da Imaculada Conceição. Notabilíssimas foram as festas do cinquentenário e centenário da definição, respectivamente em 1904 e 1954; referimo-nos sobretudo ao Sameiro.
A Imaculada Conceição é patrona primária de Portugal desde 1646.»

(José Leite, Santos de cada dia, Editorial A.O., Braga 1994, pp. 416-418.)

Consagração a Maria Imaculada

CONSAGRAÇÃO A MARIA IMACULADA

Senhora Nossa, Mãe de Jesus e nossa Mãe,
neste dia dedicado a ti,
queremos consagrar-nos ao teu Amor de Mãe,
entregando-nos nos Teus braços de esperança
e no Teu coração de bondade.
Faz com que, a exemplo do Teu Filho,
aprendamos a partilhar a vida com os nossos irmãos.


imaculadaConsagramos-Te tudo o que temos e somos;

a nossa vontade de trabalhar e de construir
um mundo mais maravilhoso,
mais saudável, mais amigo e mais irmão,
onde o Teu coração de Mãe
não cessará de nos lançar o apelo de Jesus, Teu Filho:
Amai-vos uns aos outros como eu vos amei!

Maria, que o Teu manto nos cubra,
que a tua serenidade nos prenda
e que o Teu coração nos salve.
Que o Teu SIM seja a força do nosso sim
para Te imitarmos na resposta,
que queremos que seja generosa
ao convite do Teu Filho e nosso irmão, Jesus.
Fortalece-nos e acompanha-nos
no nosso peregrinar terreno
para podemos vencer as dificuldades da vida.

Abençoa a nossa mãe da terra,

protege-a, Tu que és a Mãe das mães,
a estrela do lar e a força do amor.

Ó Maria,
Tu conheces bem os nossos sonhos e projectos,
ajuda-nos a poder realizá-los,
mas sem nunca nos afastarmos de Ti
e da Boa Nova de Teu Filho.

Torna-nos capazes de anunciarmos sempre
a verdade, a paz e o amor.
Queremos, com a tua ajuda,
testemunhar o Evangelho

para que o mundo se torne mais belo
e os homens vivam como irmãos.
Maria, podes contar connosco!

 

Traços fundamentais da mensagem de Fátima

323FAT«Maria é nosso modelo na sua vida oculta, na sua vida de silêncio e de recolhimento, em Nazaré. Maria dispensa um cuidado sem igual à vida interior. É uma vida de amor, de união e de imolação.

O Ecce ancilla (eis a serva) resume a vida de Maria, tal como o Ecce venio (eis-me aqui) resume a de Jesus. Pelo seu Ecce ancilla, Maria aceitou ser a Mãe do Redentor. Maria estava predestinada para ser Mãe do seu Deus. Foi dotada e adornada de todas as graças e dons. Contudo, as suas graças e os seus méritos aumentaram de dia para dia em consequência da sua fiel cooperação, da sua pureza, do puro amor com o qual cumpriu a sua missão.»

(Pe. Dehon, in Directório Espiritual, 42-43.48.49)


No Centenário das Aparições de Fátima, a mensagem de Fátima em alguns traços fundamentais

As aparições de Fátima constituem um acontecimento incontornável dos tempos contemporâneos e marcante na vida da Igreja, não apenas pela clara importância que lhes é reconhecida individualmente por inúmeros crentes e pela sua extensa divulgação em todo o mundo, mas também e sobretudo pela sua íntima e notória ligação à mensagem evangélica, pela profundidade com que marcam a vivência da fé de tantos discípulos de Cristo e pelo alcance profético – porquanto permanentemente atual e vivencial mente incisivo – dos seus conteúdos.

Trata-se, com efeito, de uma mensagem eloquente para os crentes de todos os tempos, que projeta um fecundo dinamismo para o presente e abre horizontes de fé para o futuro da história humana. É nesta perspetiva de atualidade profética que a celebração do Centenário das Aparições de Fátima assume o seu amplo significado: é, mais do que o assinalamento de uma efeméride histórica, a sublimação do sentido de um acontecimento cujo vetor fundamental é o do recentramento da vida no essencial, no que é vital por antonomásia: o Deus-amor permanentemente presente e misericordiosamente atento aos dramas da história humana.

Celebrar este Centenário é, pois, ocasião propícia para reler o evento Fátima – a memória dos acontecimentos e a atualidade da sua mensagem - e buscar a profundidade do seu sentido, perscrutando, sempre de novo, a densidade e os traços fundamentais deste dom-carisma de Deus à Igreja e à humanidade.

Promessa de misericórdia: o evento Fátima

O acontecimento Fátima dá-se como uma irrupção da luz de Deus nas sombras da história humana, que, nos alvores do século XX, se encontra marcada pelo entrincheiramento no desamor e no desencontro e carente de uma palavra de esperança: a da boa nova evangélica que recentra no amor que vem de Deus e no próprio Deus que é comunhão-de-amor.

Fátima inaugura-se com um convite à confiança – «Não temais» – e à adoração – «Santíssima Trindade, adoro-vos profundamente» –, qual convocação ao reconhecimento da centralidade e do amor de Deus. Da humildade da prostração a que o Anjo introduz brotarão a fé, a esperança e o amor (que frutifica no cuidado pelos outros, sobretudo os que estão à margem do amor – não creem, não adoram, não esperam e não amam).

A vocação a uma vida eucarística – feita dom – para que o Anjo aponta será confirmada e aprofundada pela Senhora do Rosário: «Quereis oferecer-vos a Deus?». É o convite a uma total disponibilidade para o acolhimento da «luz que é Deus», que ilumina o mistério humano e resgata para a vida plena. A oração, a que o Anjo e a Senhora insistentemente chamam, assume-se como lugar de encontro em que se enraíza a intimidade com Deus e a resposta ao seu amor primeiro e donde brota a urgência do amor aos demais.

Aberto com o convite à confiança, o evento Fátima encerra com a promessa de que o coração compassivo de Deus sempre se faz dom, jamais desistindo de oferecer um horizonte de vida e alegria em plenitude, desígnio que a brancura do Coração Imaculado, cheio de graça, figura como vocação de cada homem e mulher.

Vida centrada em Deus: a Adoração
A experiência de Deus a que são iniciados e em que não mais deixarão de adentrar os três videntes de Fátima abre-se com uma convocação à adoração – «Orai comigo. Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-vos» –, que se revelará a atitude adequada a adotar diante do Deus que amorosa e graciosamente se manifesta. Adequada não apenas porque justa e necessária diante da grandeza do mistério que se desvela; adequada sobretudo porque vivencial e experiencialmente incarnada na vida de quem, deixando-se tocar por essa convocação de amor e ao amor, só no silêncio adorante habitado pela presença de Deus encontra o lugar propício para responder-lhe.

A prostração do Anjo, diante de quem se veem envolvidos pela luminosa presença do próprio Deus – em cuja luz haverão de ver e ver-se autenticamente, segundo o olhar de Deus, pelas mãos da Senhora do Rosário –, segue-se a sua prostração: a adesão a um modo de ser e estar próprio de quem humilde e confiadamente entrega a existência nas mãos de Deus.

Este espírito de adoração na fé abre-se em atitude reparadora e intercessora na esperança e no amor. A experiência vertical da intimidade com Deus transborda para um compromisso horizontal, numa amorosa abertura aos outros, particularmente os afastados dessa intimidade. Convidados a orar-adorar, os pastorinhos são desafiados a pro-existir: introduzidos na contemplação do rosto trinitário de Deus, assumem incondicionalmente a árdua mas enamorada tarefa do oferecimento de si pelos que vivem sem Deus. É a adoração fecunda a que Fátima convoca.

Vida oferecida como dom: o Sacrifício e a Eucaristia
O sacrifício a que a mensagem de Fátima chama é a configuração ao jeito de ser de Jesus Cristo, enquanto união oblativa, generosa e amorosa à sua própria doação. Trata-se de fazer da vida dom generoso a Deus e aos/ pelos outros.

O convite ao sacrifício integra, assim, a vocação do crente: assumir o discipulado cristão é assumir um modo de ser que chama ao dom de si, esse estilo crístico de ser e viver. Dom de si: eis o significado profundo e o sentido do sacrifício como nos é apresentado em Fátima.

E é no horizonte muito próprio da misericórdia que se dá esta convocação ao dom de si. A conversão do crente e o seu compromisso com o sacrifício nascem da misericórdia de Deus, já que é da atenção de Deus aos misericordiosos, aos sem-amor, que brota o compromisso do crente por eles. Da atitude crente da adoração, que reconhece o Deus-amor como o centro da vida, decorre essa doação amorosa aos outros.

E «como nos havemos de sacrificar?», perguntam, inquietos, os pastorinhos. Como oferecer a vida em favor dos sem-amor? O Anjo pacifica-os: «de tudo o que puderdes». A vida aberta a Deus ocasionará lugar para o dom. E mesmo o pouco que o nosso tudo possa parecer será quanto basta: a humildade do dom total, simples e confiado, multiplicado pelas mãos de Deus.

Entendido como dom de si, o sacrifício apresenta-se em clara correlação com a Eucaristia. É a uma vida eucarística, feita pão partido, que o crente é chamado; a uma vida descentrada de si, centrada em Deus e transbordante para o compromisso com os outros, particularmente os afastados do amor.

Respondendo ao Amor: a Reparação
A reparação é temática-apelo com assinalável eco na mensagem de Fátima. O Anjo convida ao sacrifício e à oração «em ato de reparação pelos pecados com que [Deus] é ofendido»; também a Senhora desafia ao dom de si em espírito reparador. Surgem em correlação, de facto, o sacrifício e a reparação. Deverá ser, pois, na linha do sentido do sacrifício (ou seja, do generoso, disponível e comprometido dom de si) que a reparação há de entender-se.

A partir das dimensões do sacrifício reparador como é recordado em Fátima, poderemos ver o seu sentido de expressão da amizade com Deus o aspeto que mais imediatamente nos aproxima do conteúdo nuclear da reparação. Os pastorinhos deixam-se surpreender por aquela tristeza de Deus, esse mesmo Deus que os enche de uma indizível alegria e de quem são íntimos. O Francisco é quem mais desenvolve este espírito de amizade que é de tal modo intenso que espoleta a tristeza pelo desamor. Percebendo essa tristeza de Deus, nada mais deseja do que consolar o seu amigo. O olhar do Francisco encontra a tristeza de Deus e faz dela a sua própria tristeza, nada mais procurando do que dar-lhe alegria.

Aquele que se reconhece amado incondicionalmente por Deus compreende o sofrimento desse Deus que se comove até às entranhas (cf. Jr 31,20) por quantos se afastam do seu regaço. A reparação surge, assim, como um livre ato de amor de quem quer alegrar-consolar aquele que ama e por quem se sabe e sente infinitamente amado.

Convocados à brancura do coração: o Coração Imaculado de Maria
O Coração Imaculado de Maria é imagem e paradigma da vocação de todo o crente à abertura e à disponibilidade para que Deus seja o centro da sua vida. O Coração Imaculado surge como figura da conversão a que o batizado é chamado: a conversão à graça e à misericórdia de Deus. É o Coração, cheio da graça da Trindade, plenificado pela «luz que é Deus» que nele habita e transparece.

Na aparição de junho, a Senhora garante a Lúcia: «O meu Coração Imaculado será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus». Enquanto refúgio, o Coração de Maria convida à confiança; enquanto caminho, revela-se moldado segundo Deus e apresenta-se como modelo a tomar em linha de conta e imitar. Imitar Maria, totalmente disponível para a vontade divina, é caminhar na configuração com Cristo, cujo alimento é a vontade do Pai (cf. Jo 4,34). Por ter feito do fiat o eixo conformador da sua existência, Maria foi imaculada por Deus. É o convite de Deus a cada um dos seus filhos: que se abram à sua ação santificadora, que deixem que lhes branqueie os corações. O Coração da Imaculada figura essa vocação definitiva de cada homem e cada mulher, desde sempre sonhados para a graça.

A devoção ao Coração Imaculado de Maria torna-se, nomeadamente com o pedido de consagração da Rússia (e de tudo o que está aí simbolizado), expressão da presença de Deus, que acompanha o drama da história dos homens. Consagrar-se a esse Coração segundo o Coração de Deus é acolher-se na vontade de se deixar converter pela misericórdia divina da qual ele é ícone e reafirmar a certeza de que a vocação do homem é a vida plena em Deus.

Revestidos de Cristo: a oração do Rosário
A contemplação dos mistérios da vida do Filho de Deus incarnado, crucificado e ressuscitado que suporta, como fundamento e essência, a oração do Rosário pedida insistentemente em Fátima aponta-nos o rosto de um Deus que não se cansa de buscar a humanidade, sobretudo quando mais ferida e desgarrada, para a resgatar para o aconchego da sua intimidade e do seu amor, reconduzindo-a à alegria plena e à vida.

A oração do Rosário, profundamente cristológica não obstante a sua fisionomia mariana, centra-nos na promessa definitiva do triunfo da misericórdia que a vida de Cristo, evocada nos mistérios meditados, veio inaugurar. Meditar nesses mistérios, ao jeito de Maria, é, como ela, deixar-se moldar pela presença de Deus. É deixar-se renovar e formar de novo, como nova criatura, à imagem de Cristo, segundo o olhar atento e enlevado dessa mulher que, com o seu fiat, fez da sua vida dom, conservando cada palavra e cada gesto do Filho na profundidade do coração (cf. Lc 2,1 9). O âmago e ápice desta oração é a cristificação: a conformação ao jeito de ser de Jesus Cristo. Na sua configuração de progressividade narrativa-contemplativa, o rosário ritma-se ainda pela doxologia à Trindade, que nos coloca mais uma vez e diretamente no horizonte da adoração a Deus. É o amor criador (e constantemente recriador) do Pai, a obra redentora do Filho e a ação santificadora do Espírito que aí se tornam manifestos.

Do olhar contemplativo dos pastorinhos e do seu rosário vivido-rezado (porque feito oração e também configuração vital) aprenderemos esse estilo crente concentrado em Deus e transbordante para os demais, ao jeito de Jesus Cristo.

«Sem amor, nenhuns olhos são videntes»: a espiritualidade das crianças-pastores de Fátima
Os pequenos pastores de Aljustrel tornaram-se videntes precisamente por se deixarem olhar por Deus e por deixarem o seu próprio olhar encher-se pela beleza indizível do que viram. Na simplicidade dos seus corações, na transparência dos seus olhos cândidos e na disponibilidade das suas vidas são constituídos testemunhas desse encontro com o Deus-amor.

O Francisco não ouviu o Anjo nem a Senhora. Talvez precisamente dessa escuta feita apenas com o olhar tenha brotado a especial sensibilidade para a contemplação e a adoração que lhe reconhecemos, a sensibilidade de quem atenta na voz que fala em e no silêncio. Unir-se a Jesus, consolando-o e tornando presentes na generosidade da sua oração os outros, eis o cerne da contemplação do Francisco.

A Jacinta será especialmente tocada por um ardente cuidado para com o Deus-amor, cujo coração está com a humanidade, e para com a humanidade não responsiva a esse amor. Cresce, pois, numa atitude de generosa configuração à oblação de Cristo em favor da humanidade, tomando sobre si mesma o cuidado atento e bondoso pelos que estão afastados do amor.

A Lúcia reconhecer-se-á investida de uma missão testemunhal e fará dessa fidelidade à mensagem recebida-transmitida o vetor orientador da vida-testemunho. Fá-lo como o fazem as verdadeiras testemunhas: apagando-se para que brilhe a luz do dom que acolheu e viveu para transmitir. É a testemunha fiel à imagem do Filho incarnado, que norteia a vida pela obediência à vontade do Pai.

A particular concretização na vida de cada um dos pastorinhos da experiência daquele encontro segundo expressões diversas configura acentuações harmoniosas e complementares e uma mesma espiritualidade: a que recoloca Deus no centro da existência e reconduz as existências, próprias e dos demais, ao íntimo de Deus.

Calendário Dehoniano 2017

Consagração a Nossa Senhora

Consagracao2Consagração das Dioceses Portuguesas ao Imaculado Coração de Maria

Bem-Aventurada Virgem Maria,
Senhora do Rosário de Fátima,
na vossa imagem visitastes cada uma das dioceses de Portugal,
chamando-nos à oração, à conversão e à confiança,
e permitindo-nos contemplar em vós a presença amorosa
de Deus que vem ao nosso encontro.

Mãe de misericórdia,
Senhora do Rosário de Fátima
na vossa vida vemos a contínua presença da misericórdia feita carne,
Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Aqui, em Fátima, destes a conhecer o vosso Imaculado Coração,
ícone da misericórdia divina,
e lugar íntimo onde guardáveis e conserváveis
todos os mistérios da vida de Jesus:
dorido com a dor dos filhos
ele vem em auxílio daqueles que correm o perigo de cair no abismo;
revestido da luz de Cristo,
ele é refúgio nas dificuldades e caminho capaz de nos conduzir até Deus.
Animados pela vossa promessa,
queremos hoje renovar,
diante da vossa imagem,
a consagração das nossas dioceses ao vosso Coração Imaculado,
tal como o fizeram, pela primeira vez há 85 anos, neste mesmo dia,
os bispos portugueses.

“À vossa proteção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus”,
e vos consagramos as nossas dioceses e o nosso país,
que ao longo dos séculos tem sentido a vossa presença protetora.

Mãe de bondade,
Senhora do Rosário de Fátima,
fazei que as nossas comunidades aprendam
do vosso Imaculado Coração
a escutar e a conservar a Palavra divina;
fazei que as nossas comunidades dele aprendam
as verdades eternas e a arte de orar, crer e amar;
fazei que as nossas comunidades saibam dar testemunho
da fé e da esperança que as anima,
e se comprometam com a transformação do mundo
que habitam e que são chamadas a cuidar.

Protegei com a vossa solicitude maternal
a entrega de vida dos bispos, presbíteros, diáconos
e consagrados das nossas dioceses,
para que se possa realizar em cada um a vontade do Pai
e possam ser, no Espírito Santo, um louvor da Sua glória,
e um testemunho da Sua misericórdia.

Guardai com a vossa proteção as famílias,
sede para elas caminho para Deus,
ânimo nas provações e auxílio nas dificuldades.

Intercedei junto do vosso Filho
para que derrame a luz e a sabedoria do Espírito Santo
sobre os que governam o nosso país,
para que promovam a dignidade humana,
edifiquem uma sociedade justa e solidária,
construam a paz e protejam a vida.

Acompanhai com a doçura do vosso olhar materno
os mais frágeis da nossa sociedade:
as crianças, adolescentes e jovens;
os idosos, os doentes e todos os que estão dependentes;
os pobres e excluídos;
as vítimas de todas as formas de violência.
A todos acolhei, guardai, consolai e abençoai.

Mãe da Igreja,
Senhora do Rosário de Fátima,
aceitai a nossa consagração
para sermos cada vez mais fieis à condição de filhos de Deus:
vivificai a nossa fé;
amparai a nossa esperança;
animai a nossa caridade;
dai força a todo o desejo de bem;
e guiai-nos no caminho da santidade.

Bem-Aventurada Virgem Maria,
Senhora do Rosário de Fátima,
Mãe de misericórdia, Mãe de bondade e Mãe da Igreja,
Senhora do Coração Imaculado,
renovai a nossa disponibilidade para acolher os apelos
da Mensagem de Cristo que há quase 100 anos aqui proclamastes.

Amen!

+ Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca
13 de maio de 2016

Consagração a Nossa Senhora de Fátima

Papa Francisco FatimaBem-Aventurada Virgem de Fátima,
com renovada gratidão pela tua presença materna
unimos a nossa voz à de todas as gerações
que te dizem bem-aventurada.

Celebramos em ti as grandes obras de Deus,
que nunca se cansa de se inclinar com misericórdia sobre a humanidade,
atormentada pelo mal e ferida pelo pecado,
para a guiar e salvar.

Acolhe com benevolência de Mãe
o acto de entrega que hoje fazemos com confiança,
diante desta tua imagem a nós tão querida.

Temos a certeza que cada um de nós é precioso aos teus olhos
e que nada te é desconhecido de tudo o que habita os nossos corações.
Deixamo-nos alcançar pelo teu olhar dulcíssimo
e recebemos a carícia confortadora do teu sorriso.

Guarda a nossa vida entre os teus braços:
abençoe e fortalece qualquer desejo de bem;
reacende e alimenta a fé;
ampara e ilumina a esperança;
suscita e anima a caridade;
guia todos nós no caminho da santidade.

Ensina-nos o teu mesmo amor de predilecção
pelos pequeninos e pelos pobres,
pelos excluídos e sofredores,
pelos pecadores e os desorientados;
reúne todos sob a tua protecção
e recomenda todos ao teu dilecto Filho, nosso Senhor Jesus.
Amém.


Papa Francisco

Acto de Consagração a Nossa Senhora de Fátima no final da Missa por ocasião da Jornada Mariana
(Praça de São Pedro, 13 de outubro de 2013)

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado