PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4

II Domingo do Tempo Comum - C

Cana12

A liturgia de hoje apresenta a imagem do casamento como imagem que exprime de forma privilegiada a relação de amor que Deus (o marido) estabeleceu com o seu Povo (a esposa). A questão fundamental é, portanto, a revelação do amor de Deus.

A primeira leitura apresenta a imagem do casamento para revelar a profunda união que existe entre Deus e a Humanidade. É um amor inquebrável e eterno, que continuamente renova a relação e transforma a esposa, sejam quais forem as suas falhas passadas. Nesse amor nunca desmentido, reside a alegria de Deus.

A segunda leitura fala dos "carismas" – dons, através dos quais continua a manifestar-se o amor de Deus. Como sinais do amor de Deus, eles destinam-se ao bem de todos; não podem servir para uso exclusivo de alguns, mas têm de ser postos ao serviço de todos com simplicidade.

O Evangelho apresenta um "sinal" do programa de Jesus: mostrar aos homens o Pai, que os ama, e os convoca para a alegria e a felicidade plenas.


LEITURA I – Is 62,1-5
Leitura do Livro de Isaías

Por amor de Sião não me calarei,
por amor de Jerusalém não terei repouso,
enquanto a sua justiça não despontar como a aurora
e a sua salvação não resplandecer como facho ardente.
Os povos hão-de ver a tua justiça
e todos os reis a tua glória.
Receberás um nome novo,
que a boca do Senhor designará.
Serás coroa esplendorosa nas mãos do Senhor,
diadema real nas mãos do teu Deus.
Não mais te chamarão «Abandonada»,
nem à tua terra «Deserta»,
mas hão-de chamar-te «Predilecta»
e à tua terra «Desposada»,
porque serás a predilecta do Senhor
e a tua terra terá um esposo.
Tal como o jovem desposa uma virgem,
o teu Construtor te desposará;
e como a esposa é a alegria do marido,
tu serás a alegria do teu Deus.


SALMO RESPONSORIAL – Salmo 95 (96)
Refrão: Anunciai em todos os povos as maravilhas do Senhor.

Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.

Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.

Dai, ó Senhor, ó família dos povos,
dai ao Senhor glória e poder,
dai ao Senhor a glória do seu nome.

Adorai o senhor com ornamentos sagrados,
trema diante d'Ele a terra inteira;
dizei entre as nações: «O Senhor é Rei»,
governa os povos com equidade.


LEITURA II – 1 Cor 12,4-11
Leitura da primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

Irmãos:
Há diversidade de dons espirituais,
mas o Espírito é o mesmo.
Há diversidade de ministérios,
mas o Senhor é o mesmo.
Há diversidade de operações,
mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos.
Em cada um se manifestam os dons do Espírito
para o bem comum.
A um o Espírito dá a mensagem da sabedoria,
a outro a mensagem da ciência, segundo o mesmo Espírito.
É um só e o mesmo Espírito
que dá a um o dom da fé, a outro o poder de curar;
a um dá o poder de fazer milagres,
a outro o de falar em nome de Deus;
a um dá o discernimento dos espíritos,
a outro o de falar diversas línguas,
a outro o dom de as interpretar.
Mas é um só e o mesmo Espírito que faz tudo isto,
distribuindo os dons a cada um conforme Lhe agrada.


EVANGELHO – Jo 2,1-11
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Naquele tempo,
realizou-se um casamento em Caná da Galileia
e estava lá a Mãe de Jesus.
Jesus e os seus discípulos
foram também convidados para o casamento.
A certa altura faltou o vinho.
Então a Mãe de Jesus disse-Lhe:
«Não têm vinho».
Jesus respondeu-Lhe:
«Mulher, que temos nós com isso?
Ainda não chegou a minha hora».
Sua Mãe disse aos serventes:
«Fazei tudo o que Ele vos disser».
Havia ali seis talhas de pedra,
destinadas à purificação dos judeus,
levando cada uma de duas a três medidas.
Disse-lhes Jesus:
«Enchei essas talhas de água».
Eles encheram-nas até acima.
Depois disse-lhes:
«Tirai agora e levai ao chefe de mesa».
E eles levaram.
Quando o chefe de mesa provou a água transformada em vinho,
– ele não sabia de onde viera,
pois só os serventes, que tinham tirado a água, sabiam –
chamou o noivo e disse-lhe:
«Toda a gente serve primeiro o vinho bom
e, depois de os convidados terem bebido bem,
serve o inferior.
Mas tu guardaste o vinho bom até agora».
Foi assim que, em Caná da Galileia,
Jesus deu início aos seus milagres.
Manifestou a sua glória
e os discípulos acreditaram n'Ele.


RessonânciasCana02b

No contexto de um casamento, em Caná, Jesus realiza o primeiro milagre, transformando a água em vinho. É "sinal" de uma realidade mais profunda: é uma síntese de tudo o que Jesus fará depois: é Ele o esposo que celebrará as núpcias com a humanidade.

O cenário do casamento reflecte o contexto da Aliança entre Israel e Javéh. A essa "aliança", em certo momento, vem a faltar o vinho. O vinho é símbolo do amor entre o marido e a esposa, da alegria e da festa. Constata-se que a antiga Aliança tornou-se uma relação seca, sem alegria, sem amor e sem festa, que já não proporciona o encontro amoroso entre Israel e o seu Deus.

Esta realidade de uma "aliança" estéril e falida é representada pelas "seis talhas de pedra destinadas à purificação dos judeus". O número seis evoca a imperfeição, o incompleto; a "pedra" lembra as tábuas de pedra da Lei do Sinai e os corações de pedra de que falava o profeta Ezequiel; a referência à "purificação" faz recordar os ritos e exigências da antiga Lei que revelavam um Deus impositivo, que guarda distâncias. Um Deus assim pode-se temer, mas não amar. As talhas estão "vazias" porque todo este aparato era inútil e ineficaz: não servia para aproximar o homem de Deus, mas sim para o afastar desse Deus difícil e distante.

As Bodas de Caná sem vinho representam a situação do povo, desiludido e insatisfeito. O amor foi substituído pela observância da lei.

As personagens apresentados:
– a Mãe: é ela que se apercebe da situação ("não têm vinho"): representa o Israel fiel, que já tinha percebido a realidade e esperava que o Messias viesse transformar essa situação;
– o chefe de mesa representa os dirigentes judeus, que não percebem que a antiga "Aliança" já caducou;
– os serventes são os que colaboram com o Messias, que estão dispostos a fazer tudo "o que ele disser" para que a "Aliança" seja revitalizada;
– Jesus: é a Ele que o Israel fiel (a "mulher"/mãe) se dirige no sentido de dar nova vida a essa "aliança" caduca.

A obra de Jesus não será preservar as instituições antigas, mas realizar uma profunda transformação. Ele veio trazer à relação entre Deus e os homens o vinho da alegria, do amor e da festa. Isso acontecerá quando chegar a "Hora".

As Bodas continuam... e somos também convidados...

Quando a relação com Deus se resume num jogo complicado de ritos externos, de regras e de obrigações que é preciso cumprir, a religião torna-se um pesadelo insuportável que tiraniza e oprime.

Jesus veio revelar-nos Deus como um Pai bondoso e terno, que fica feliz quando pode amar os seus filhos. É esse o "vinho" que Jesus veio trazer para alegrar a "aliança": o "vinho" do amor de Deus, que produz alegria e que nos leva à festa do encontro com o Pai e com os irmãos.

A nossa "religião" é de facto um encontro com o Jesus, que nos dá o vinho do amor?
O que os nossos olhos e os nossos lábios revelam aos outros? A alegria que brota de um coração cheio de amor, ou o medo e a tristeza que brotam de uma religião de leis e de medo?

Com que personagem das Bodas nos identificamos?
– com o chefe de mesa, comodamente instalado numa religião estéril e vazia?
– com a "mulher"/mãe que pede a Jesus que resolva a situação?
– ou com os "serventes" que vão fazer "tudo o que Ele disser" e colaborar com Jesus no estabelecimento da nova realidade?


A minha talha aos teus cuidados

Nas bodas de Caná está representada a nossa relação com Deus, como uma relação nupcial, amorosa e festiva. Caná narra os caminhos do amor humano, sujeito à caducidade, à precariedade e à corruptibilidade.
Tantas vezes, no xadrez da nossa história falta o vinho da alegria, da beleza e do amor. Quando inicia a pobreza do "vinho de casa", quando o júbilo do amor diminui, Deus intervém para que a vida se encha, multiplique, aumente em abundância.
As bodas de Caná também atestam que é no seio do amor humano que Deus intervém e realiza os seus maiores milagres.
É este o Deus em que eu acredito: o Deus da festa, do amor que dança, um Deus feliz que faz do amor o lugar onde brotam milagres, um Deus alegre que dá vontade de existir e de acredita: o Deus das bodas de Caná!

Senhor, de coração tenso,
no colorido da vida que dói e desabrocha em cada sim,
coloco a minha talha aos teus cuidados.
Fendida, e frágil, vazia de amor, aspira ao que a preenche,
à festa do teu toque, ao perfume do teu estar,
à ternura do tua Palavra,
à beleza do teu canto que me abraça e me dá vida.

Senhor, de coração em festa,
neste misterioso laço que me atrai,
anseio acreditar sempre mais
e provar a deliciosa essência do teu amor por mim!


Participemos das Bodas de CanáCana08b

Hoje, o Evangelho convida-nos para um casamento. Será o primeiro milagre de Jesus. S. João apresenta seu relato evangélico a partir do fio condutor da "hora". Tudo o que ele recolheu sobre Jesus tem como finalidade levar o leitor à contemplação da entrega suprema de Cristo, verdadeira "hora" na qual o Senhor dará por terminado o que o Pai lhe havia confiado: "Tudo está consumado" (Jo 19, 30). Por isso, Jesus insiste em que ninguém modifique seu "horário" redentor: explica-se assim que, no relato das bodas de Caná, Jesus diga à sua Mãe: "Mulher, a minha hora ainda não chegou." (Jo 2, 4). Não é um desprezo do Senhor em relação a Maria, mas uma afirmação que Ele faz da absoluta primazia das coisas do seu Pai, às quais se dedicará antes que a qualquer outra.

É a primeira hora, antecipação daquela derradeira, em que Maria, junto a João, voltará a aparecer na cena de Jesus, que se dirigirá novamente a ela para chamá-la com o mesmo nome, "mulher", tornando-a "mãe" de João e da nova humanidade que nascerá quando Jesus ressuscitar no primeiro dia da semana, isto é, também "três dias depois" daquela cena ao pé da cruz.

Maria percebe algo que falta: o vinho. Faz da sua descoberta uma petição ao seu Filho e convida os que estavam a servir a escutarem esta Palavra de Jesus: "Fazei tudo o que Ele vos disser". Ela propõe-lhes o que no fundo foi a sua vida desde que decidiu que se cumprisse nela a vontade de Deus: "Faça-se em mim segundo a tua palavra".

Qual é o vinho que nos falta neste mundo? O vinho da paz, da ternura; o vinho da fé, da esperança e do amor; o vinho da verdade? Quando faltam esses vinhos, a vida se "avinagra". Surgem os interesses partidários, as fraudes económicas, as banalidades vácuas, a mentira como ferramenta de comunicação, o relativismo moral, a violência e o terror.

Maria viu o que faltava no casamento, fez sua essa necessidade solidariamente e colocou mãos à obra. Não ficou apenas relatando o que acontecia e lamentando pelo que faltava ou estava ruim. Perceber o "vinho" que nos falta, dar uma mão no que depender de nós, tendo na Palavra de Jesus nossa força e nossa luz. Caná foi isso. Maria foi assim.

O Evangelho termina afirmando que "os seus discípulos acreditaram n'Ele" (Jo 2, 11). O final é que, havendo vinho, houve festa e os discípulos, vendo o sinal, o milagre, acreditaram em Jesus. Sim, precisamos de milagres de "vinho"; o mundo precisa ver que os vinagres do absurdo se transformam em vinho bom e generoso, o do amor e da esperança, o que germina na fé.

Há sempre um brinde por fazer... Que seja com um vinho como o de Maria em Caná.

Cana01a


 

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado