PARÓQUIA S. MIGUEL DE QUEIJAS

igreja1 vitral1 igreja2 Auditorio vitral2 vitral4 igreja3 vitral3 Slide Cspq1 Slide cspq7 Slide igreja4 Slide cspq3 Slide cspq5 Slide pinturas Slide cspq8 Slide vitral5 Slide cspq6 Slide cspq2 Slide cspq4
Quares0 Quares1 catequese Catequese1

Oitavário de Oração pela Unidade dos Cristãos

«Amarás ao Senhor teu Deus... Unidade24
e ao teu póximo como a ti mesmo.» (Lc 10, 27)

«Naquele tempo, levantou-se um doutor da lei e perguntou a Jesus para O experimentar:
«Mestre, que hei-de fazer para receber como herança a vida eterna?».
Jesus disse-lhe:
«Que está escrito na Lei? Como lês tu?».
Ele respondeu:
«Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento; e ao próximo como a ti mesmo».
Disse-lhe Jesus:
«Respondeste bem. Faz isso e viverás».
Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus:
«E quem é o meu próximo?».
Jesus, tomando a palavra, disse:
«Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores.
Roubaram-lhe tudo o que levava, espancaram-no
e foram-se embora, deixando-o meio-morto.
Por coincidência, descia pelo mesmo caminho um sacerdote;
viu-o e passou adiante.
Do mesmo modo, um levita que vinha por aquele lugar,
viu-o e passou também adiante.
Mas um samaritano, que ia de viagem,
passou junto dele e, ao vê-lo, encheu-se de compaixão.
Aproximou-se, ligou-lhe as feridas deitando azeite e vinho,
colocou-o sobre a sua própria montada,
levou-o para uma estalagem e cuidou dele.
No dia seguinte, tirou duas moedas, deu-as ao estalajadeiro e disse:
‘Trata bem dele; e o que gastares a mais eu to pagarei quando voltar’.
Qual destes três te parece ter sido o próximo
daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?».
O doutor da lei respondeu:
«O que teve compaixão dele».
Disse-lhe Jesus:
Então vai e faz o mesmo.»   (Lc 27, 25-37)


REFLEXÕES BÍBLICAS E ORAÇÕES PARA O OITAVÁRIO


PRIMEIRO DIA
Um doutor da Lei se levantou e, querendo experimentar Jesus, perguntou:
“Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?” (Lc 10, 25)

Ajudai-nos, Senhor, a ter uma vida voltada para Vós.
Passagens adicionais da Escritura: Rm 14, 8-9; Sal 103, 13-18

Reflexão
“Que devo fazer para herdar a vida eterna?” Esta pergunta crucial feita a Jesus por um doutor da lei desafia todo aquele que acredita em Deus. Ela afeta o significado de nossa vida na Terra e na eternidade. Em outra parte da Bíblia, Jesus dá-nos a definição suprema de vida eterna: “... que conheçam a ti, o Deus único e verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que enviaste” (Jo 17, 3). Conhecer a Deus significa descobrir e fazer a Sua vontade na nossa vida. Toda pessoa deseja uma vida de plenitude e verdade, e Deus também deseja isso para nós (cf. Jo 10, 10). Santo Irineu disse: "A glória de Deus é o homem vivo”.

As realidades existenciais da vida, com divisões, egoísmo e sofrimento, muitas vezes nos distanciam da busca por Deus. Jesus viveu o mistério da comunhão íntima com o Pai, que deseja preencher todos os seus filhos com a plenitude de sua vida eterna. Jesus é “o Caminho” que nos leva ao Pai, nosso destino final.
Assim, nossa busca pela vida eterna nos aproxima de Jesus e, ao fazê-lo, nos aproxima uns dos outros, fortalecendo a nossa proximidade no caminho para a unidade dos cristãos. Estejamos abertos à amizade e à colaboração como os cristãos de todas as igrejas, orando pelo dia em que todos nós poderemos nos sentar juntos à Mesa do Senhor.

Oração
Deus da vida,
Vós nos criastes para termos vida, e vida em toda a sua plenitude.
Que possamos reconhecer nos nossos irmãos e irmãs o seu desejo de vida eterna.
Ao seguirmos o caminho de Jesus com determinação, que possamos levar outras pessoas a Vós.
Nós vos pedimos em nome de Cristo, nosso Senhor. Amém


SEGUNDO DIA
Jesus respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10, 27)

Ajudai-me Senhor a amar a Vós, ao meu próximo e a mim mesmo com todas as minhas forças.
Passagens adicionais da Escritura: Dt 10, 12-13; Sal 133

Reflexão
A resposta que Jesus dá ao doutor da lei pode parecer simples, extraída dos conhecidos mandamentos de Deus. Entretanto, amar a Deus dessa forma e ao próximo como a nós mesmos pode ser difícil.

O mandamento de Deus de amá-l'O exige um compromisso profundo e significa abandonar-nos totalmente, oferecendo o nosso coração e a nossa mente para servir à vontade de Deus. Podemos pedir a graça de seguir o exemplo de Cristo, que se ofereceu totalmente e disse: “Não seja feita a minha vontade, mas a tua” (Lc 22, 42). Ele também manifestou seu grande amor por todos, inclusive pelos seus inimigos. Não podemos escolher os nossos próximos. Amá-los significa estar atento às suas necessidades, aceitar as suas imperfeições e animar as suas esperanças e aspirações. A mesma atitude é necessária no caminho da unidade dos cristãos, com relação às diferentes tradições de cada um.

O chamado para amar o próximo “como a si mesmo” nos lembra da necessidade de nos aceitarmos como somos, conscientes do olhar compassivo de Deus sobre nós, sempre pronto a nos perdoar. Considere que somos a criação amada de Deus. Respeite a si mesmo. Busque a paz consigo mesmo. Da mesma forma, cada um de nós pode pedir a graça de amar e aceitar nossa própria igreja ou comunidade, com suas falhas, confiando todas as coisas ao Pai, que nos restaura por meio do Espírito Santo.

Oração
Senhor, dai-nos a graça de vos conhecer mais profundamente,
para vos amar com todo o nosso ser.
Concedei-nos um coração puro, para amarmos o próximo como a nós mesmos.
Que o dom do vosso Espírito Santo
nos permita ver a vossa presença em nossos irmãos e irmãs,
para que possamos amar uns aos outros com o mesmo amor incondicional com que Vós nos amais.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.


TERCEIRO DIA
“Quem é o meu próximo?” (Lc 10, 29)

Senhor, abri os nosso corações para aqueles que não vemos
Passagens adicionais da Escritura: Rm 13, 8-10; Sal 119, 57-63

Reflexão
O doutor da lei queria se justificar, esperando que o próximo a quem ele é chamado a amar fosse alguém de sua própria fé e de seu próprio povo. Esse é um instinto humano natural. Quando convidamos pessoas para nossa casa, geralmente são pessoas que compartilham nosso status social, nossa visão da vida e nossos valores. Há um instinto humano de preferir lugares de familiaridade. Isso também se aplica às nossas comunidades eclesiásticas. Mas Jesus conduz o doutor da lei, e o seu público mais amplo, para além da sua própria tradição, lembrando-os da obrigação de acolher e amar a todos, independentemente da religião, da cultura ou do status social.

O Evangelho ensina que amar aqueles que são como nós não é algo extraordinário. Jesus nos orienta para uma visão radical do que significa ser humano. A parábola ilustra de maneira muito visível o que Cristo espera de nós -que abramos nossos corações e caminhemos no seu caminho, amando os outros como ele nos ama. De fato, Jesus responde ao doutor da lei com outra pergunta: não é “quem é meu próximo”, mas “quem provou ser um próximo para o homem necessitado?”
Nossos tempos de insegurança e de medo nos confrontam com uma realidade na qual a desconfiança e a incerteza estão em primeiro plano nos relacionamentos. Esse é o desafio da parábola de hoje: para quem eu sou um próximo?

Oração
Deus de amor,
que infundis o amor em nossos corações,
dai-nos a coragem de olhar além de nós mesmos
e ver o próximo naqueles que são diferentes de nós,
para que possamos realmente seguir a Jesus Cristo,
nosso irmão e nosso amigo,
que é Deus, pelos séculos dos séculos. Amém.


QUARTO DIA
Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado (Lc 10, 31)

Que nunca nos desviemos daqueles que passam necessidades.
Passagens adicionais da Escritura: Is 58, 6-9; Sal 34, 15-22

Reflexão
O sacerdote e o levita que passavam do outro lado podem ter tido boas razões religiosas para não ajudar: talvez estivessem prontos para realizar certos rituais religiosos e poderiam ter se arriscado a se contaminar se o homem estivesse morto. No entanto, em muitas ocasiões, Jesus critica a liderança religiosa por colocar as regras da religião acima da obrigação de sempre fazer o bem.

O início do texto da Semana de Oração nos mostra como o doutor da lei queria se justificar. O sacerdote e o levita da parábola teriam se sentido justificados pelo que haviam feito. Como cristãos, até que ponto estamos preparados para ir além das convenções? Às vezes, nossa miopia eclesial e culturalmente condicionada pode nos impedir de ver o que está sendo revelado pela vida e pelo testemunho de irmãs e irmãos de outras tradições cristãs. Quando abrimos os nossos olhos para ver como o amor de Deus é revelado através dos nossos condiscípulos cristãos, somos atraídos para mais perto deles e, portanto, para uma união mais profunda com eles.

Essa parábola de Jesus não apenas nos desafia a fazer o bem, mas também a ampliar a nossa visão. Não aprendemos o que é bom e santo apenas com aqueles que compartilham nossa visão de mundo confessional ou religiosa, mas muitas vezes com aqueles que são diferentes de nós. O Bom Samaritano geralmente é aquele que não esperamos.

Oração
Senhor Jesus Cristo,
Enquanto caminhamos convosco rumo à unidade,
que nossos olhos não desviem o olhar,
mas estejam bem abertos para o mundo.
Ao viajarmos pela vida,
que possamos parar e estender a mão, curar os feridos
e, ao fazê-lo, experimentemos a vossa presença neles:
Vós que viveis e reinais pelos séculos dos séculos. Amém.


QUINTO DIA
Aproximou-se dele e tratou-lhe as feridas, derramando nelas óleo e vinho (Lc 10, 34)

Senhor, ajudai-nos a perceber as feridas e encontrar esperança
Passagens adicionais da Escritura: Jl 2, 23-27; Sal 104, 14-15; 27-30

Reflexão
O bom samaritano fez o que pôde com seus próprios recursos: derramou vinho e óleo, enfaixou as feridas do homem e o colocou sobre seu próprio animal. Ele foi ainda mais longe, prometendo pagar por seus cuidados. Quando vemos o mundo com os olhos do samaritano, toda situação pode ser uma oportunidade para ajudar aos necessitados. É aí que o amor se manifesta. O exemplo do Bom Samaritano nos motiva a nos perguntarmos como responder ao nosso próximo. Ele deu vinho e óleo, restaurando o homem e dando-lhe esperança. O que podemos doar, para que possamos fazer parte da obra de Deus de curar um mundo despedaçado?

Esse despedaçamentos e manifesta no nosso mundo por meio da insegurança, do medo, da desconfiança e da divisão. Tristemente, essas divisões também existem entre os cristãos. Embora celebremos sacramentos ou outros rituais de cura, reconciliação e consolo, muitas vezes usando óleo e vinho, persistimos em divisões que ferem o Corpo de Cristo. A cura das nossas divisões cristãs promoverá a cura das nações.

Oração
Deus de toda graça,
Vós que sois a fonte de todo amor e bondade:
permiti-nos ver as necessidades de nosso próximo.
Mostrai-nos o que podemos fazer para promover a cura.
Transformai-nos para que possamos amar a todos os nossos irmãos e irmãs.
Ajudai-nos a superar os obstáculos da divisão,
para que possamos construir um mundo de paz para o bem comum.
Nós vos agradecemos por renovar a vossa Criação
e por nos conduzir a um futuro cheio de esperança:
Vós sois o Senhor de todas as coisas, ontem, hoje e para sempre. Amém.


SEXTO DIA
Colocou-o em seu próprio animal e o levou a uma pensão, onde cuidou dele (Lc 10, 34)

Senhor, transformai as nossas igrejas em pensões, para acolher os necessitados.
Passagens adicionais da escritura: Gn 18, 4-5; Sal 5, 11-12

Reflexão
O homem que caiu nas mãos dos ladrões foi atendido por um samaritano. O samaritano enxergou além do preconceito ou da parcialidade. Ele viu alguém em necessidade e o levou a uma estalagem. “No dia seguinte, pegou dois denários e entregou-os ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, pagarei o que tiveres gasto a mais” (Lc 10, 35).

Em qualquer sociedade humana, a hospitalidade e a solidariedade são essenciais. Elas exigem o acolhimento de estranhos, estrangeiros, migrantes e pessoas sem-teto. Entretanto, quando nos deparamos com a insegurança, a suspeita e a violência, tendemos a desconfiar dos nossos próximos. A hospitalidade é um importante testemunho do Evangelho, especialmente em contextos de pluralismo religioso e cultural. Acolher “o outro” e ser acolhido, por sua vez, está no centro do diálogo ecuménico. Os cristãos são desafiados a transformar as nossas igrejas em pousadas onde nossos próximos possam encontrar a Cristo. Essa hospitalidade é um sinal do amor que as nossas igrejas têm umas pelas outras e por todos.

Quando nós, como seguidores de Cristo, vamos mais além de nossas tradições confessionais e escolhemos praticar a hospitalidade ecuménica, deixamos de ser estranhos e passamos a ser próximos.

Oração
Pai de amor,
Em Jesus, Vós nos mostrastes o significado da hospitalidade,
cuidando da nossa frágil humanidade.
Ajudai-nos a nos tornar uma comunidade
que acolhe aqueles que se sentem abandonados e perdidos,
construindo uma morada onde todos sejam bem-vindos.
Que possamos nos aproximar uns dos outros ao oferecermos ao mundo o vosso amor incondicional.
Nós vos pedimos na unidade do Espírito Santo. Amém.


SÉTIMO DIA
Disse Jesus: “Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” (Lc 10,36)

Senhor, mostrai-nos como socorrer o nosso próximo.
Passagens adicionais da Escritura: Fil 2,1-5; Sal 10, 17-18

Reflexão
No final da parábola, Jesus perguntou ao doutor da lei: quem era o próximo do homem atacado pelos ladrões? O doutor da lei respondeu: “aquele que usou de misericórdia para com ele”. Ele não disse “o samaritano” e podemos imaginar que a hostilidade entre samaritanos e judeus tornou essa resposta difícil de admitir. Muitas vezes, descobrimos o próximo nas pessoas mais inesperadas, até mesmo naquelas cujo nome ou origem achamos difícil de pronunciar. No mundo de hoje, onde a política polarizada muitas vezes coloca aqueles de diferentes identidades religiosas uns contra os outros, Jesus nos desafia por meio dessa parábola a ver a importância da nossa vocação para poder cruzar as fronteiras e os muros de separação.

Assim como aconteceu com o doutor da lei, somos desafiados a refletir sobre como vivemos as nossas vidas, não apenas em termos de fazer o bem ou não, mas se, assim como o sacerdote e o levita da parábola, estamos deixando de agir com misericórdia.

Oração
Deus Santo,
O vosso Filho Jesus Cristo veio habitar entre nós
para nos mostrar o caminho da compaixão.
Ajudai-nos, por meio do vosso Espírito, a seguir o seu exemplo,
para atender às necessidades de todos os vossos filhos,
e assim dar um unido testemunho cristão dos seus caminhos de amor e de misericórdia.
Nós vos pedimos por Cristo, nosso Senhor. Amém.


OITAVO DIA
Jesus lhe disse: “Vai e faze tu a mesma coisa” (Lc 10, 37)

Senhor, que o nosso seguimento seja sinal do vosso Reino
Passagens adicionais da Escritura: Rm 12, 9-13; Sal 41, 1-2

Reflexão
Por meio dessas palavras – “Vai e faze tu a mesma coisa” – Jesus envia cada um de nós, e cada uma de nossas igrejas, a viver os eu mandamento de amar. Inspirados pelo Espírito Santo, somos enviados para sermos “outros Cristos”, alcançando a humanidade sofredora com compaixão e misericórdia. Como o Bom Samaritano em relação ao homem ferido, podemos escolher não rejeitar aqueles que são diferentes, mas, em vez disso, cultivar uma cultura de proximidade e de boa vontade.
Como é que o convite de Jesus para “ir e fazer o mesmo” aplica-se à minha vida? O que é que esse chamamento de Cristo implica no meu relacionamento com os membros das outras igrejas? Como podemos dar juntos o testemunho caridoso do amor de Deus? Como embaixadores de Cristo (cf. 2 Cor 5:20), somos chamados a nos reconciliar com Deus e uns com os outros, para que a comunhão crie raízes e cresça em nossas igrejas e nas áreas afetadas por conflitos intercomunitários, como a região do Sahel.

À medida que a confiança mútua aumentar, estaremos mais dispostos a revelar nossas feridas, inclusive as eclesiais, para que o amor de Cristo possa nos visitar e nos curar por meio do amor e do cuidado uns dos outros. Empenhar-se juntos pela unidade dos cristãos ajuda a reconstruir laços mútuos, de modo que a violência possa dar lugar à solidariedade e à paz.

Oração
Pai Celeste,
nós vos agradecemos pelo dom do Espírito Santo, o doador da vida,
que nos torna mais abertos uns aos outros, resolve os conflitos
e fortalece os nossos laços de comunhão.
Que possamos crescer em estima recíproca
e no desejo de anunciar a mensagem do Evangelho com mais fidelidade,
para que o mundo possa recompor-se em unidade
e acolher o Príncipe da Paz.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.


Subsídio preparado pelo Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristã os e Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas.

 

Cateq 2018

Calendario Cateq

horariomissas



Patriarcado